top of page
Buscar

A Importância da Segurança de Informações Médicas no Brasil


Nos últimos anos, a medicina no Brasil passou por uma transformação significativa devido à revolução tecnológica. Essa mudança impactou profundamente a comunicação e o compartilhamento de informações dentro das instituições de saúde. No entanto, essa evolução trouxe à tona uma preocupação crescente: a vulnerabilidade dos dados médicos. De acordo com um levantamento da ISH Tecnologia, utilizando fontes abertas, o Brasil ocupa a segunda posição global em termos de vazamento de dados médicos, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Atualmente, são 214 sistemas médicos expostos no Brasil, representando 15% do total mundial. 

Essa situação alarmante destaca a necessidade urgente de implementar medidas de segurança mais eficazes. Segundo Lucas Passos, CTO da Nuria, uma healthtech brasileira que desenvolve soluções digitais para melhorar a experiência do paciente, a proteção adequada dos dados médicos é fundamental para promover a confiança dos pacientes nas instituições de saúde. 


A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e a Segurança Médica 

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é uma ferramenta essencial na regulamentação e proteção das informações pessoais, incluindo os dados médicos. Instituída para assegurar a privacidade e a segurança dos dados dos cidadãos brasileiros, a LGPD exige que as instituições de saúde implementem medidas rigorosas para garantir a confidencialidade e a integridade das informações dos pacientes. A conformidade com a LGPD não só protege os dados, mas também promove a confiança dos pacientes nas instituições de saúde, essencial para a manutenção do bem-estar coletivo. 


A Importância de Proteger Dados Sensíveis 

Os dados médicos são considerados dados sensíveis pela LGPD, pois contêm informações pessoais e de saúde que podem ser extremamente prejudiciais se expostos. Dados sensíveis incluem detalhes como históricos médicos, resultados de exames, diagnósticos e tratamentos. A exposição desses dados pode levar a consequências graves, como discriminação, constrangimento, ou até mesmo fraude. Portanto, a proteção desses dados é não apenas uma questão de privacidade, mas também de segurança e dignidade dos pacientes. 


Dicas para Proteger Informações Médicas 

Para ajudar a melhorar a segurança das informações médicas nas instituições de saúde, Lucas Passos oferece três dicas importantes: 


1.     Garantir a Confidencialidade dos Dados Médicos 

Proteger a privacidade dos dados sensíveis, como resultados de exames e diagnósticos, é essencial para fortalecer a relação entre pacientes e profissionais de saúde. A confiança dos pacientes nas instituições cresce à medida que a segurança dos seus dados é garantida, o que, por sua vez, aumenta a credibilidade dessas instituições. A LGPD reforça essa necessidade ao estabelecer diretrizes claras sobre como os dados devem ser protegidos. 


2.     Implementar Medidas Robustas de Segurança da Informação 

A área médica se tornou um alvo preferencial para hackers, tornando a LGPD crucial para regulamentar o uso das informações. Lucas destaca que garantir segurança e privacidade cibernética em softwares e aplicações é um desafio complexo para as empresas do setor, mas essencial para proteger os dados dos pacientes. A LGPD obriga as instituições a adotarem tecnologias avançadas e práticas de segurança eficazes para estar em conformidade com a lei. 


3.     Adotar uma Abordagem Proativa 

Uma abordagem proativa é vital para a detecção e resposta eficaz a possíveis ameaças cibernéticas. Utilizar sistemas de controle que alertem sobre ameaças ou exposição de dados pode fazer uma grande diferença na manutenção da integridade e privacidade das informações médicas, além de fortalecer o relacionamento entre pacientes e instituições de saúde. A conformidade com a LGPD também exige que as instituições de saúde sejam proativas na gestão dos dados, implementando medidas de segurança contínuas e atualizadas. 

 

A segurança das informações médicas é uma preocupação crescente no Brasil, destacando a necessidade de medidas robustas para proteger os dados sensíveis dos pacientes. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) desempenha um papel crucial na regulamentação e proteção desses dados, exigindo que as instituições de saúde adotem práticas rigorosas de segurança.  


Na Omnisblue, entendemos a complexidade e a importância da proteção de dados sensíveis no setor da saúde. Com nossa experiência comprovada e clientes satisfeitos nessa área, oferecemos soluções personalizadas que garantem a conformidade com a LGPD e ajudam a mitigar riscos de vazamento de informações médicas.  Fale com um de nossos especialistas.



 

6 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page